domingo, 14 de dezembro de 2014

A MINHA ESCOLA MAIS PARECE UM CIRCO


A MINHA ESCOLA MAIS PARECE UM CIRCO

Autor: Professor Carlos Delano Rebouças

Quantas semelhanças existem entre a minha escola e um circo. Esta é a conclusão que tirei desde que iniciei a minha trajetória educacional na escola em que frequento, desde a minha infância. E lá se vão 15 anos de minha vida.

Quando comecei a estudar com os meus 03 anos de idade, tardio para os padrões modernos da educação brasileira, confesso que não recordo das tantas vezes que retornei a minha casa com o rosto pintado, mais parecendo um palhaço. 

Todas essas situações são contadas pela minha mãe, que na época acreditava se tratar de bobagens, todavia, bem distante de seu entendimento em aceitar que significava o desenvolvimento de habilidades, pedagógicas, que ainda são muito aplicadas.

Como a pintura no corpo, além de em outros recursos de expressão, dançávamos, brincávamos, ríamos muito um dos outros e aproveitávamos, também, todos os equipamentos existentes na escola, para o desenvolvimento mental e corporal. A minha escola era maravilhosa e muito parecia com um circo.

Hoje já estou com 18 anos, cursando o terceiro ano. Sou um pré-vestibulando, prestes a entrar na faculdade. Aquelas tantas brincadeiras já se perderam no passado, e hoje, as coisas são mais sérias, e não poderiam deixar de ser. Entretanto, a imagem do circo insiste em não me sair da cabeça, diante da também insistência dos gestores na sua continuidade.

Olho para a minha escola, enxergo um circo; entro na minha sala de aula e mais parece um picadeiro; meus colegas de sala, infelizmente, mais parecem animais que precisam ser adestrados, pela carência de educação e compromisso com a mesma; o meu professor, coitado, feito palhaço, não somente por nós, ou pelo menos pela nossa maioria, mas, muito mais, pela gestão pública deste país, que prefere brincar com a educação a levá-la a sério.

E ainda temos que fazer acrobacias para encontrar o nosso espaço na sociedade, diante de tanta concorrência.

Somos inevitavelmente os protagonistas deste espetáculo, que em nada redunda alegria, muito pelo contrário, uma tristeza profunda, e que permite estragar a maquiagem dos artistas circenses da vida, pela lágrima escorrida no rosto, numa irresponsabilidade sem tamanho, a qual começa no pré-escolar, e sem momento para terminar. É como se começasse dando o pirulito e terminasse em marmelada. Infelizmente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique e confira!

ESTAMOS À DISPOSIÇÃO!