sábado, 15 de julho de 2017

A ESTRADA DO DESTINO


por Carlos Delano Rebouças

Um dia caminhando pela estrada do destino, aquela que assim batizamos quando estamos desesperançosos, despretensiosamente, no auge das minhas desilusões, sobraram-me momentos de uma reflexão sobre tudo que já foi percorrido, diante de sua paisagem paradoxal, cujas cores e brilho parecem perdidos no caminho.

Na sua estrada, a caminhada é longa e bastante cansativa. Em muitas de suas etapas, pareceu-me valer a pena. Em outras, deu vontade de desistir, mesmo sabendo que não teria um retorno a fazer. Nela, sentimo-nos impulsionados a ver, a chegar sempre adiante, levados, às vezes, na carona da crença de que ela acontece naturalmente.

“Naturalmente que nada!” Assim dizem muitos que asseguram jamais ter posto seus pés na estrada do destino e que minhas convicções são equivocadas, que preciso repensar as minhas crenças. Contudo, há aqueles que defendem a sua existência, assegurando com todas as letras que começamos a percorrê-la no abrir dos olhos para um mundo que nos recebe de braços abertos.

O mundo pode parecer para muitos uma grande roleta, e nós, bolinhas que nela giram em busca da sorte, sabendo que o azar nos acompanha de perto, na torcida para que o sorriso não se estampe nosso rosto de felicidade. Para muitos, também, já nascemos com a nossa história determinada para um fim, mesmo que não acreditem que seria tão breve, em muitos casos, mal saída do prefácio.

São os encontros e desencontros da estrada do destino – aquela na qual depositamos a culpa de sucessos e insucessos; felicidades e infelicidades; tristeza e alegrias –, mas que também podem nos servir de alento, pelos menos, para justificar o injustificável de um difícil momento, em que Deus parece pedir paciência a ele mesmo para ser compreendido.

Acreditar na sua existência, não é bem o propósito desse escrito. Na verdade, que sirva somente para uma reflexão sobre a nossa existência, nossas crenças e nossas opiniões. Contudo, acreditando ou não, de uma coisa não temos dúvida: Caminhamos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique e confira!

ESTAMOS À DISPOSIÇÃO!