quinta-feira, 16 de junho de 2016

A EMPRESA É BOA DE TRABALHAR, MAS NINGUÉM DURA MUITO


Por Carlos Delano Rebouças

Excelente política salarial, planos médico e odontológico, auxílio educação, oportunidades de crescimento, participação nos resultados e excelente ambiente de trabalho, dentre outros, são requisitos suficientes, para atrair qualquer profissional para qualquer empresa, desde que se sinta seguro.

Segurança em instituições privadas, no Brasil, relacionado à estabilidade de emprego, para muitos, pode parecer ilusão, diante do turnover, ou seja, da rotatividade que existe no quadro de colaboradores de tantas empresas que atuam no cenário nacional.

A maioria dos profissionais sabe que assina um contrato de trabalho, que pode ser quebrado a qualquer momento, conforme a Consolidação das Leis Trabalhistas, CLT, mas ninguém espera que venha a acontecer tão repentinamente e com tanta incidência, em determinadas empresas. Para esta quebra de contrato, devem ser apresentadas as razões, que muitas vezes não são convincentes, principalmente, quando uma empresa se intitula e é reconhecida como boa para se trabalhar. Não parece contraditório?

Contraditório parece, sem dúvida, mas, o que mais intriga é entender os motivos que levam a se demitir tanto e a se contratar tanto, diante de todo o custo envolvido, que não é baixo. Intrigante é aceitar, por exemplo, a justificativa de querer buscar um profissional que enxergam mais preparados no mercado, quando se poderia preparar o que tem em casa, reduzido com isso custos, e fazendo um investimento no seu maior patrimônio.

Será que o mercado está muito exigente quanto a conhecimento, ao buscar profissionais mais instruídos, diplomados? Será que se trata de um despreparo por parte da gestão em não reconhecer o potencial de conhecimento e comprometimento do colaborador que tem, somente por não ter uma certificação de nível superior, por exemplo, preferindo descartá-lo? Será que seria mais prudente unir a conhecimento existente e agregá-lo a uma melhor instrução, e permitir ao profissional detentor uma competência maior, que resultaria numa satisfação no mesmo nível?

São perguntas que nos fazemos, e que buscamos respostas, para entender tanta rotatividade no mercado de trabalho.


As empresas precisam muito mais do que buscar profissionais preparados no mercado. Necessitam, sim, preparar melhor aqueles que já têm em seu quadro, principalmente, aqueles que contratam, administram e demitem, A fim de evitar perdas preciosas, que muitas vezes o mercado tem dificuldade de reposição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique e confira!

ESTAMOS À DISPOSIÇÃO!